Diante de tantas habilidades exigidas na área de TI, quais conhecimentos devem ser adquiridos ou aprimorados para o próximo ano que chega?

Para ajudar a enfrentar esse desafio, o Gartner resumiu as principais tendências e considerações de planejamento em 5 áreas-chave da Tecnologia.

Assim, compartilho esse conteúdo de maneira estruturada e de fácil compreensão!

Contexto atual

Novos negócios digitais surgem todos os dias, incluindo uso intensivo de ativos na indústrias, saúde, governo e outros. Nunca houve um momento melhor para organizações acelerarem sua transformação digital.

Assim, profissionais técnicos da Tecnologia da Informação devem se concentrar em entender, integrar e operacionalizar rapidamente novas tecnologias. Adquirir o conjunto certo de habilidades para passar por toda essa transformação digital.

Tecnologias como nuvem, análise de dados, segurança e IA não estão desconexas e independentes entre si. Cada uma é necessário - e depende das outras - para a transformação digital ocorrer completamente. Por isso, os profissionais não devem apenas ficar a par das tendências em suas principais áreas de atuação, mas também entender as tendências em áreas correlatas :)

Assim, a Gartner, empresa norte-americana de consultoria que desenvolve tecnologias relacionadas a introspecção necessária para seus clientes tomarem suas decisões, cria todo fim de ano Guias de Planejamento (GTP). Esses guias abrangem um amplo conjunto de tecnologias, serviços e infraestrutura em uma área específica de pesquisa, no caso a Tecnologia da Informação. E foi desenvolvido para ajudá-lo a assimilar rapidamente e agir de acordo com as tendências mais importantes nessa área!

2020 GTP Planning Guide Topics

Numa visão geral, as principais tendências para 2020 estão organizadas nas 5 seguintes categorias:

  • Cloud computing, infrastructure and operations

  • Data and analytics

  • Software development, application architecture and integration, and CRM and customer experience

  • Security, risk management, and identity and access management (IAM)

  • Collaboration and end-user technologies


1. Cloud Computing

A computação em nuvem evoluiu para apoiar a execução de dados, análises, Internet das Coisas (IoT), estratégias de segurança e aplicativos. Muitas organizações agora têm uma “estratégia de nuvem em primeiro lugar” (Cloud-first Strategy), à medida que avançam no uso de serviços em nuvem em toda a empresa.

Diante dessa realidade, as organizações devem continuar investindo e amadurecendo suas competências em nuvem para garantir que a computação em nuvem se torne a plataforma de computação convencional na organização.

No entanto, preocupações com custos e questões de confiança estão contrariando o entusiasmo pela computação em nuvem. Esses desafios estão impedindo o investimento em nuvem em algumas organizações, enquanto a computação em nuvem está impulsionando o futuro dos negócios digitais em outras organizações.

As organizações devem superar esses desafios. Para isso, profissionais técnicos devem gerenciar custo, segurança e governança como parte essencial de sua estratégia de nuvem.

O que considerar ?

  • Adoção de estratégia multi e híbrida de cloud
  • Container e Serverless
  • Estratégias de automação
  • DevSecOps

2. Infrastructure and Operations (I&O)

A computação em nuvem provocou uma mudança sem precedentes nas práticas estabelecidas de I&O. E essa situação não mostra sinais de diminuir em 2020.

Pelo contrário, a adocão crescente de práticas Cloud fizeram com que as práticas tradicionais de I&O iniciassem um processo de ruptura.

No entanto, isso não significa que todos os aplicativos serão executados em um ambiente de nuvem pública. Os aplicativos continuarão sendo executados nos datacenters quando as opções de computação em nuvem não suportarem alguns requisitos técnicos de conformidade ou de armazenamento de dados do aplicativo, por exemplo - ou quando os custos de migrar para a nuvem excederá os benefícios.

Para enfrentar todos esses desafios, os profissionais técnicos de I&O precisarão criar uma estratégia de TI híbrida gerenciável. Essa estratégia deve abordar efetivamente todo o processamento de dados necessário da organização, independentemente de ocorrerem em data centers, nuvens públicas ou computação de borda (Edge Computing).

O que considerar ?

  • Foco na Infraestrutura Imutável ou Infraestrutura como Código (IaC)
  • Container e Serverless
  • APM (Application Performance Monitoring) para aumentar a observabilidade
  • AIOPs - Inteligência Artificial para as Operações de TI - são aplicações multicamadas, com recursos destinados ao aprimoramento e automação das principais tarefas de Operações de TI. Estruturalmente, essas soluções reúnem sistemas de Machine Learning, Big Data e Analytics, com o objetivo de acompanhar múltiplas fontes de dados e dispositivos instalados dentro das operações de TI – tudo de forma simultânea.

3. Data and Analytics

A transformação digital está direcionando a necessidade de analisar o que está acontecendo agora, não o que aconteceu ontem ou no mês passado.

Consequentemente, os armazenamentos de dados estão passando por uma transformação sem precedentes para atender à capacidade e requisitos de capacidade de novos casos de uso. As tecnologias de IA e Machine Learning (ML) estão sendo implantadas para obter maior eficiência para melhorar a qualidade dos dados.

Novas opções baseadas em ML podem inferir anomalias e fornecer recomendações para remediação. Por exemplo, o banco de dados de código aberto PostgreSQL inclui processamento acelerado por GPU para modelo de aprendizagem através do Apache MADlib.

O que considerar ?

  • Logical Data Warehouse (LDW)
  • Data as a Service (DaaS)
  • Uso de IA e ML
  • BI - Bussiness Intelligence - para a tomada de decisão
  • DataOps - uma metodologia automatizada e orientada ao processo, usada pelas equipes analíticas e de dados, para melhorar a qualidade e reduzir o tempo de ciclo da análise de dados

4. Software Development and UX

À medida que as organizações procuram modernizar seus sistemas legados, eles também devem se concentrar em oferecer a esses sistemas uma melhor experiência de usuário (UX).

A adoção rápida de SaaS e aPaaS (Application Platform as a Service) substitui os desenvolvedores que trabalham em sistemas tradicionais ou concentra-se na migração desses sistemas para plataformas modernas.

O que considerar ?

  • Princípios de Ligtweight Infrastructure, cloud services e microservices
  • Adoção de Estratégias de Continous Testing, Continous Integration e Continous Delivery
  • Adoção de reuso de desacoplamento de código
  • Soft skills para lidar com as demandas do negócio da organização

5. Application Platforms, Architecture and Integration

Tradicionalmente, fornecer aplicativos e sistemas é um desafio. Por exemplo, é preciso atender às demandas funcionais de usuários e clientes comerciais, oferecer agilidade, flexibilidade e robustez de suporte.

Contudo, há um processo de modernização da entrega de aplicativos. Este tema reflete o amadurecimento de novas tecnologias de arquitetura e integração, padrões e práticas, bem como: microserviços, APIs, arquiteturas orientadas a eventos, contêineres e plataformas nativas de nuvem baseadas no Kubernetes.

Em 2020, organizações estarão mais confiantes do que nunca sobre a adoção dessas tecnologias. O foco estará na modernização existente de aplicações e sistemas, em vez de criar novos sistemas.

O que considerar ?

  • Microservices
  • Service Mesh para multicloud
  • Biplane Architecture
  • API-centric strategy

6. CRM and Customer Experience (CX):

Atender às expectativas dos clientes e dos negócios é uma tarefa difícil, mesmo para as equipes mais experientes de CRM e CX.

As equipes devem incorporar continuamente recursos avançados, como AI, ML e interfaces de usuário de conversação. Ao mesmo tempo, eles devem puxar juntos uma visão unificada do cliente e proporcionarem uma experiência contínua ao cliente.

Enquanto isso está acontecendo, os mercados de CRM e gerenciamento de dados de clientes continuam a se expandir e se sobrepor, causando incerteza sobre quais ferramentas são melhores para quais situações.

O que considerar ?

  • Incorporar práticas agéis e DevOps
  • Gerenciamento holístico de dados do cliente

7. Security and Risk Management

A segurança cibernética tem sido uma grande preocupação para as organizações e as equipes de segurança consideraram desafiador acompanhar essas mudanças.

Os dados estão sendo usados em mais locais, para mais fins comerciais e por mais parceiros no ecossistema de negócios digitais. Aplicativos e APIs estão se expandindo para tornar mais funcionalidade de negócios acessíveis e a nuvem torna aplicativos críticos potencialmente acessíveis a um número maior de atacantes.

Como os clientes estão em vários níveis de maturidade de segurança, as considerações de planejamento para 2020 abrangem muitos controles de segurança em cada domínio. Cada domínio possui controles básicos (por exemplo, firewalls) e opções mais avançadas (por exemplo, agentes de segurança de acesso à nuvem), geralmente selecionadas com base sobre riscos específicos e capacidades organizacionais.

O que considerar ?

  • API security pratices
  • DevSecOps para automação
  • Enfâse na tríade: visibilidade, monitoramento e gerenciamento
  • Endpoint Threat e Data Protection
  • Mobile Security
  • Implementação de respostas a incidentes

8. Identity and Access Management

A TI deve avançar nas iniciativas do IAM em uma era de complexidade cada vez maior.

Profissionais técnicos de segurança e gerenciamento de riscos em IAM devem se concentrar nas tendências da autenticação sem senha, requisições pela privacidade do consumidor e ambientes híbridos multicloud.

O que considerar ?

  • Implementação da LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados (GDPR, em outros países)
  • A ascensão do multicloud - a integração de plataformas IaaS vem para o IAM implicações de segurança
  • Adoção de Active Directory

9. Collaboration and End-User Technologies

As tecnologias SaaS distribuíram informações e aplicativos através de uma variedade de endpoints e serviços na nuvem.

Como resultado, o local de onde os serviços se originam e onde o conteúdo reside tornam-se cada vez mais irrelevantes para os usuários finais.

Os aplicativos de colaboração agora são implantados como um federação fracamente acoplada de serviços distribuídos com ciclos frequentes de lançamento de software.

A estratégia de usar uma variedade de ferramentas de gerenciamento de endpoints está dando lugar ao Terminal Unificado Gestão (UEM - unified endpoint management ). O UEM oferece um único método de gerenciamento, independentemente do endpoint - PC, Mac, tablet, telefone ou o que vier a seguir.

Essa mudança sísmica implicará como a TI interage com seus usuários finais.

O que considerar ?

  • desktop as a service (DaaS) como um Virtual Desktop Infrastructure (VDI)
  • Controle unificado e de monitorameto das SaaS utilizadas na organização

Acesso ao Material completo do Gartner